Arquivos de Categoria: MPB

“Elis”

Vi “Elis” no sábado. Não vou nem tentar descrever o que senti porque o Marceu Vieira já o fez com aquele talento que invejo há 30 anos. Só fiquei matutando: será que há mais gente que lembra onde estava quando soube da morte da maior cantora brasileira com que convivi ? (Elizeth era grandiosa também, …

Continuar lendo

“O primeiro jornal” – Elis

Esta, de autoria de Suely Costa e Abel Silva, recorda o tempo em que se lia jornais e estes não circulavam aos domingos. Se mudar para “o primeiro post”,  funciona de segunda a segunda hoje em dia (e o nome do disco também vem bem a calhar). Boa semana!

Continuar lendo

Ercília

Alta, forte, negra, bonita, Ercília impressionava o colega de turma. Quando abria a boca, a voz encorpada como ela, melodiosa, aumentava em uns 85 pontos (escala 100) a timidez do cabra e, por associação – vá entender a cabeça de um adolescente inseguro -, detonava qualquer ideia que ele pudesse ainda ter de aproximar-se da …

Continuar lendo

A cantora dos olhos inacreditáveis

Vamos lá, tente pronunciar: “Trzetrzelewska”. Pois é. Ter um sobrenome desse não ajuda a carreira de nenhuma aspirante a cantora, mesmo tendo ela extensa e poderosa voz e uma estampa de não se jogar fora, com destaque para olhos indescritíveis. Daí, a polonesa Barbara não teve dúvida de assumir como nome artístico o apelido diminutivo …

Continuar lendo

Papai e as cantoras

Meu pai morreu há três meses (completados no dia 15 passado) e só agora consigo retomar a Pavuna ’73. A explicação é que, ao começar a fazer este blog, me dei conta de que não foi só o meu amor ao Maior Clube de Todos os Universos (conhecido por você como Fluminense) que ele me …

Continuar lendo

A voz de Minas

Em fins dos anos 70, não era muito complicado – você era fã de Chico Buarque e Milton Nascimento e estávamos conversados. A única divergência possível era se você aceitava o Chico cantar suas próprias composições ou acreditava que ele devia calar a boca e deixar a Elis e a Betânia mostrarem suas letras ao …

Continuar lendo

Trilhos da memória

O DNA me trouxe vários problemas, mas creio que o maior é a memória. Nietzche dizia que a memória era o maior tormento do Homem, condenado a recordar-se do instante que chega e passa em um átimo – por isso o alemão também afirmava que felizes são os que têm má memória, pois podem divertir-se …

Continuar lendo

54, melancolia.

Um dos fatos com que se deparam aqueles que chegam aos 54 – além das dores que surgem do nada em todas as partes do corpo – é que a gente começa a pensar muito nos tempos que se foram e naquilo que, inevitavelmente, está por vir. Daí, a melancolia se torna sempre uma ameaça …

Continuar lendo

O meu rei da infância

Minha irmã, Andréa, era uma moreninha gordinha de 5 para 6 anos quando minha mãe a levava pela mão da “avenida” onde morávamos (“avenida” era como se chamava um tipo de vila, formada por apartamentos e não por casas), na rua Senhor dos Matosinhos, no Centro – perto de onde hoje se ergue o Sambódromo …

Continuar lendo

O “homem-poema”

A professora não viera, algo raro na Alberto José Sampaio, escola pública onde estudava em Pavuna, gerida com austeridade por Dona Carolina. Fomos dispensados com a recomendação de irmos direto para casa, obviamente desconsiderada de imediato. “Vamos nadar no Barrreiro!”, sugeriu um colega. Já tinha ouvido falar naquela parte do rio Pavuna, onde um barranco …

Continuar lendo