Arquivos de Categoria: Anos 80

“O primeiro jornal” – Elis

Esta, de autoria de Suely Costa e Abel Silva, recorda o tempo em que se lia jornais e estes não circulavam aos domingos. Se mudar para “o primeiro post”,  funciona de segunda a segunda hoje em dia (e o nome do disco também vem bem a calhar). Boa semana! Anúncios

Continuar lendo

O jazz foi pra Cuba

Pode parecer meio maluco – e certamente levará ao gáudio os direitistas mais inteligentes (sim, existe gente de direita inteligente, mesmo no Bananão – no nosso caso, uns cinco ou seis) -, mas o afro-cuban jazz surgiu em Nova York no início dos anos 40, fruto da interação de uma geração de músicos cubanos e …

Continuar lendo

Para a Terra da Graça

Para Dominic Molise, 1933 foi um ano ruim. A seis meses de completar 18 anos, a vida parecia não estar dando muita bola para o personagem autobiográfico de John Fante, que reclamava amargamente de Deus pelo fato. Bem, 1986 também não estava sendo nada bom para mim – além do fantasma da bipolaridade da minha …

Continuar lendo

A cantora dos olhos inacreditáveis

Vamos lá, tente pronunciar: “Trzetrzelewska”. Pois é. Ter um sobrenome desse não ajuda a carreira de nenhuma aspirante a cantora, mesmo tendo ela extensa e poderosa voz e uma estampa de não se jogar fora, com destaque para olhos indescritíveis. Daí, a polonesa Barbara não teve dúvida de assumir como nome artístico o apelido diminutivo …

Continuar lendo

O rock inglês dos 80 e o Brasil de 2014

O brit-rock sempre foi, para mim, melhor que o americano, apesar de o ritmo ter sido inventado nos EUA. Os caras da ilha sempre me falavam (e falam) mais ao coração e ao cérebro por terem comportamentos políticos mais diretos e – vamos lá – de esquerda. No momento em que o Brasil vai para …

Continuar lendo

Trilhos da memória

O DNA me trouxe vários problemas, mas creio que o maior é a memória. Nietzche dizia que a memória era o maior tormento do Homem, condenado a recordar-se do instante que chega e passa em um átimo – por isso o alemão também afirmava que felizes são os que têm má memória, pois podem divertir-se …

Continuar lendo

54, melancolia.

Um dos fatos com que se deparam aqueles que chegam aos 54 – além das dores que surgem do nada em todas as partes do corpo – é que a gente começa a pensar muito nos tempos que se foram e naquilo que, inevitavelmente, está por vir. Daí, a melancolia se torna sempre uma ameaça …

Continuar lendo

Duros na queda

Raras bandas conseguem sobreviver ao afastamento de um líder talentoso e carismático. Não sou em quem disse, mas Tony Wilson, criador do selo Factory, sediado em Manchester e símbolo do rock britânico nos anos 80. A constatação está no filme “A festa nunca termina” (“24 hour party people” ),  de Michael Winterbottom, e se refere …

Continuar lendo

O filho mais famoso da Dona Lúcia

Por pouco Francisco Sánchez Gómez não esteve nos dois primeiros posts de Pavuna ’73. Ficou fora da coletânea que encerra o texto de estreia por ter entrado em minha vida musical nos anos 80 – e eu pus lá as músicas do início dos 70 – e também porque sua obra excepcional merecia um post …

Continuar lendo